Ir para o conteúdo
ou

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Blog

31 de Janeiro de 2013, 0:00 , por Rede Ola.coop.br - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

A cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada por uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente, com forma e natureza jurídica próprias, de natureza civil, sem fins lucrativos, constituída para prestar serviços a seus associados.

Assim, essa comunidade online é um ambiente digital voltado para promoção e diálogos sobre esse ramo do Cooperativismo.


 


Sicredi participa do Ciab FEBRABAN 2018

20 de Junho de 2018, 11:44, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

Cidmar Stoffel, diretor executivo de Produtos e Negócios do Banco Cooperativo Sicredi, abordou inclusão financeira em painel durante o congresso de tecnologia da informação.

De 12 a 14 de junho aconteceu, no Transamérica Expo Center, na capital paulista, o Ciab FEBRABAN 2018. Com apresentação de Cidmar Stoffel, diretor executivo de Produtos e Negócios do Banco Cooperativo Sicredi, a instituição financeira cooperativa teve participação no painel sobre “Novas Soluções e Tecnologias para Inclusão Financeira”. Na ocasião, foram debatidos temas relacionados às transformações digitais e como elas têm influenciado o setor, os desafios para oferecer serviços a todos os públicos e o futuro do sistema financeiro, entre outros.

Mediado por Mario Vieira Recalde, diretor executivo da Caixa Econômica, o painel contou, além de Stoffel, com Paulo Frossard, vice-presidente da Mastercard, e Douglas Eduardo Almeida, responsável por acesso à mercados e serviços financeiros do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).

Para Stoffel, a inclusão financeira integra o DNA do cooperativismo de crédito, tendo em vista que em 204 dos municípios o Sicredi é a única instituição financeira. O Sicredi está presente em 22 estados e no Distrito Federal com 1.587 agências e prevê a abertura de mais 142 ao longo deste ano. Além disso, 78% das agências estão localizadas em municípios com menos de 100 mil habitantes e 50% estão em municípios rurais e rurais desenvolvidos.

Apesar da forte presença regional e local, o diretor executivo enfatiza que tornar o cooperativismo de crédito conhecido é um desafio do segmento. “É ainda grande o desconhecimento do que é o cooperativismo de crédito nos grandes centros. Mas a abertura de agências em capitais estaduais e cidades de grande e médio portes, empreendida pelas cooperativas filiadas ao Sicredi, sem dúvida, está conquistando novos públicos, como de empreendedores e jovens urbanos. Trabalhamos constantemente junto a amplos targets para explicar o que são os diferenciais, benefícios e vantagens do cooperativismo de crédito. E, para isso, a comunicação é essencial”, enfatiza Stoffel.

O executivo também contou que o Sicredi oferece diferentes canais de relacionamento com os associados, de acordo com seus diversos perfis. Lembrou que, pensando na inclusão financeira do público jovem, em particular, o Sicredi em breve irá oficialmente lançar o Woop Sicredi, que é uma conta digital desenvolvida para ser uma solução complementar, voltada para o autosserviço.

Stoffel ainda reforçou o modelo sustentável e colaborativo das cooperativas dentro do sistema que, ao mesmo tempo, atingem os objetivos comuns dos associados e suas necessidades, assim como estimulam o desenvolvimento local, promovido pela geração de valor econômico, social e ambiental do Sicredi. “Além do acesso ao mercado financeiro, o Sicredi promove o ciclo virtuoso, pois os recursos financeiros gerados em sua área de atuação nela permanecem na forma de empréstimos e oferta de crédito, estimulando geração de renda e crescimento sustentável. A permanência dos recursos na região impacta positivamente a comunidade com maior oferta de empregos, produtos locais e geração de renda”, ressaltou o executivo.

Sobre o Sicredi
O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.
*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Share on:
WhatsApp

O post Sicredi participa do Ciab FEBRABAN 2018 apareceu primeiro em Portal do Cooperativismo Financeiro.



Congresso de Cooperativas de Crédito destacou inovação do Sistema Cecred na área digital

20 de Junho de 2018, 11:35, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

Evento aconteceu nos dias 16 e 17 de maio em São Paulo (SP) e reuniu participantes de todo o país. Rodrigo Imthurn, diretor de operações da instituição, falou sobre as boas práticas que auxiliaram o negócio na expansão da base de cooperados. Novo modelo de posto de atendimento da Transpocred também foi apresentado

O impacto da transformação digital no cooperativismo financeiro foi o destaque de mais de 18 palestras que aconteceram nos dias 16 e 17 de maio, em São Paulo (SP), durante o Congresso de Cooperativas de Crédito. O evento reuniu gestores e lideranças do setor de todo o país e um dos quatro cases de destaque foi o Sistema Cecred.

Rodrigo Imthurn, diretor de operações da instituição, apresentou as boas práticas que apoiaram o negócio no aumento da base de cooperados. Atualmente o Sistema Cecred conta com mais de 620 mil pessoas ligadas à entidade, 13 cooperativas, mais de 160 postos de atendimento e R$ 6,2 bilhões em ativos.

“Investimos constantemente em proximidade com as pessoas através de ferramentas que facilitem o dia a dia delas e o acesso aos serviços. Seja através de aplicativos ou soluções móveis, temos o objetivo de ser um agente de transformação. Acreditamos na importância da cidadania financeira e do nosso papel em proporcionar canais para sua aplicação. Hoje contamos ainda com cursos de ensino a distância e diversas iniciativas para que o cooperado veja a Cecred como uma aliada na sua vida”, destaca o executivo.

Além da Cecred, a Transpocred, cooperativa de crédito que engloba o sistema, foi case de boas práticas. A instituição apresentou no Congresso o posto de atendimento colaborativo em modelo de coworking lançado recentemente em Blumenau (SC). O espaço oferece conexão wi-fi, notebooks para acesso ao internet banking, salas de reuniões compartilhadas e uma área com tablets e profissionais à disposição para que os cooperados possam ter mais informações sobre as facilidades dos canais de autoatendimento da cooperativa. No local não são realizados serviços que envolvem manuseio de dinheiro, como pagamentos, saques ou depósitos. Por esse motivo o local também não conta com porta-giratória, cofre e caixas.

De acordo com os diretores da Transpocred, Marcos Schuster e Willian Oliveira, a intenção é que o cooperado possa utilizar o espaço para realizar reuniões e gerar negócios. “Estamos muito satisfeitos por concretizar mais um desafio e proporcionar soluções práticas para quem usufrui dos nossos serviços”, comentam.

Sobre a Cecred
Constituído em 2002, o Sistema Cecred conta com mais de 620 mil cooperados, 13 cooperativas, mais de 160 postos de atendimento e R$ 6,2 bilhões em ativos. Com atuação nos três estados do Sul do país, possui mais de 2,5 mil colaboradores. As cooperativas que compõem o Sistema Cecred são: Viacredi, AcrediCoop, Credifiesc, Acentra, Credelesc, Transpocred, Credifoz, CredCrea, SCRcred, Rodocrédito, Credicomin, Crevisc e Viacredi Alto Vale.

Share on:
WhatsApp

O post Congresso de Cooperativas de Crédito destacou inovação do Sistema Cecred na área digital apareceu primeiro em Portal do Cooperativismo Financeiro.



Na era digital, agência bancária ‘encolhe’

20 de Junho de 2018, 11:33, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

Após onda de fechamento de agências nos últimos anos, bancos repensam estratégia e projetam espaços menores, que incluem até cafés.

Depois de um movimento que fechou 7% das agências bancárias do País nos últimos dois anos, capitaneado por BB e Bradesco, as instituições financeiras estão lançando mão de uma nova estratégia em um momento em que o atendimento presencial perde espaço para os meios digitais. De olho na visibilidade de suas marcas, os bancos agora optam por reduzir o tamanho dos pontos de atendimento. Para ocupar o espaço ocioso, vale trazer novos serviços – como espaços de coworking – e até instalar um café onde antes ficavam caixas eletrônicos.

 

 

 

A redução das agências – seja em número absoluto ou pela diminuição do espaço ocupado por cada uma delas – é uma forma de os bancos reduzirem custos com aluguel ou liberarem imóveis próprios para venda. Há duas semanas, por exemplo, o BB anunciou o leilão de 26 propriedades onde antes funcionavam agências. O Bradesco, por seu turno, já reduziu à metade duas agências na Avenida Paulista – uma cedeu parte de sua área ao espaço cultural Japan House e outra, a uma loja da rede americana Starbucks.

Após essas duas experiências, o Bradesco está preparando um estudo para identificar outros espaços que possam ser locados a terceiros, segundo Josué Augusto Pancini, vice-presidente do banco. No Itaú, a tendência de redução de espaços também é clara, diz o executivo Tadeu Sassi. Atualmente, nos planos do banco, uma agência padrão precisa de 250 a 300 metros quadrados de área. Há cinco anos, o espaço projetado variava de 1 mil a 1,5 mil metros quadrados. Ele descarta, porém, um processo significativo de encerramentos: “A agência vai continuar no mesmo local, só que menor.”

O Santander diz não querer reduzir seu número de agências – entre os principais bancos do País, o espanhol é o menos pulverizado, com 2,26 mil pontos. O modelo que o banco vem adotando é o de “sala de visitas”, define Paschoal Pipolo Batista, sócio da Deloitte, referindo-se à tendência de criação de espaços de convivência pelos bancos. “Antes, todas as agências eram iguais. Agora, são testados novos formatos, que permitem alguma personalização.”

Em uma agência do Santander da Avenida JK, em São Paulo, há espaço para coworking, com internet grátis, salas de reunião e até um café da rede Havanna totalmente integrado ao ponto de atendimento. Segundo Ede Viani, diretor executivo do Santander Brasil, estão previstos mais 15 espaços parecidos nas principais capitais do País dentro dos próximos dois anos. A rede Havanna anunciou no fim do mês passado que fechou um acordo para abrir outras cafeterias em parceria com o banco espanhol.

Enquanto alguns bancos descartam a criação de agências especializadas, o Santander tem investido fortemente nesse tipo de conceito. No Centro-Oeste, a instituição vem testando um modelo de pequenas lojas, voltadas ao agronegócio, que funcionam em espaços muito mais enxutos do que os de uma agência comum, em imóveis de 50 a 80 metros quadrados. O banco já tem 12 espaços do tipo e está com 8 em fase de implantação.

A Caixa Econômica Federal, que recentemente implantou um plano para ampliar sua rentabilidade, não tem em vista um fechamento relevante de agências, afirma Nelson Antonio de Souza, presidente do banco público. Ele diz que a instituição tem hoje menos de 4 mil agências e que tem obrigações que não se aplicam a outros bancos, como o pagamento de benefícios sociais e de FGTS, que exigem o atendimento presencial. “Só vamos fechar agências que estejam próximas uma da outra, desde que não haja prejuízo para o cliente.”

Cortes de custos. O Banco do Brasil, que fechou cerca de 700 agências nos últimos 18 meses, se viu com um número considerável de imóveis em mãos. Procurado, o banco não deu entrevista, mas informou, por meio de nota, que, dos pontos encerrados, 80% eram alugados e 20% eram próprios.

Enquanto no caso dos espaços locados basta devolver o imóvel ao proprietário, a advogada Larissa Lancha Arruy, do escritório Mattos Filho, explica que a situação das agências próprias é um pouco mais complicada. Segundo ela, o Banco Central proíbe que as instituições financeiras mantenham imóveis em sua carteira que não sejam para uso próprio. Logo, depois que as propriedades deixam de abrigar agências, é necessário criar um cronograma de venda para não descumprir a legislação.

Além de aliviar os gastos dos bancos com imóveis, o movimento de fechamento ou redução de agências tem causado demissões, diz Juvandia Moreira Leite, presidente da Contraf-CUT, sindicato que reúne os trabalhadores do setor financeiro. “O que a gente percebe é que, além de as agências terem sido fechadas, as que permaneceram funcionando têm um grande déficit de funcionários para atender o público.”

Fonte: estadao.com.br

Share on:
WhatsApp

O post Na era digital, agência bancária ‘encolhe’ apareceu primeiro em Portal do Cooperativismo Financeiro.



Sicredi disponibiliza R$ 6,93 bilhões para Santa Catarina e Rio Grande do Sul à safra 2018/2019

19 de Junho de 2018, 13:33, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

Instituição financeira cooperativa, está preparada para receber solicitações de seus associados para investimento e custeio em suas propriedades.

Florianópolis, 19 de junho de 2018. Para o novo Plano Safra 2018/2019, o Sicredi está disponibilizando para Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mais de R$ 6,93 bilhões em crédito rural, com estimativa de realizar cerca de 114 mil operações. Desse total, R$ 5,93 bilhões vão para custeio, comercialização e investimento em linhas do Pronaf, do Pronamp e demais. E mais, R$ 1 bilhão será direcionado para operações com fontes do BNDES.

Ao todo no Brasil, o Sistema Sicredi está disponibilizando mais de R$ 16,18 bilhões em crédito rural para o Plano Safra 2018/2019, com a expectativa de gerar cerca de 214 mil operações, entre custeio e investimento. No fechamento consolidado nacional do ciclo Safra 2017/2018, o Sistema Sicredi liberou mais de R$ 11,6 bilhões, com resultado 16% superior a safra anterior, com a efetivação de 195 mil operações.

Veja, na tabela abaixo, a evolução da liberação de crédito pelo Sicredi no país:

Setor se mantem em evolução

Os mercados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul mostram que – independente das adversidades climáticas, econômicas ou de mercado, seguem mantendo o nível de contratação de crédito rural em crescimento. Prova disso, são os números gerados na safra anterior onde, os dois estados, realizaram 102.615 mil operações que somaram R$ 4,98 bilhões em crédito. Juntos, RS e SC, representam 43% do total liberado pelo Sistema Sicredi no país. Por conta da sua missão direcionada para o crescimento sustentável, o Sicredi busca estar juntos com os associados para apoiá-los no financiamento da produção e nos investimentos em sua propriedade. Com isso, gera desenvolvimento aos associados que se estende – naturalmente – a toda a comunidade.

Segmento em crescimento

A agricultura familiar (que engloba o pequeno e médio produtor rural) e a agroindústria familiar seguem como o segmento mais atendido pelo Sicredi no Brasil. E no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, este segmento representou 92,3% das operações realizadas no ciclo 2017/2018, que se encerrou. Segundo o BNDES, o Sicredi é a 3ª instituição financeira na liberação de crédito rural e a 1ª no segmento da agricultura e agroindústria familiar no Brasil. O posicionamento do Sicredi foi construído – primeiro pela sua origem – e com os valores e o entendimento das necessidades da agricultura familiar e a proximidade com os associados.

Fontes dos recursos

Além dos recursos provenientes do BNDES, o Sicredi desenvolve a democratização do acesso ao crédito, direcionando grande parte dos recursos da sua Carteira de Poupança para financiar o agronegócio, representando em torno de 47,2% do total dos recursos disponibilizados que impactam direto as comunidades com a geração de renda, empregos e qualidade de vida às pessoas. A atuação do Sicredi é focada na sustentabilidade do acesso ao crédito rural, o que reflete na baixa inadimplência que hoje – no RS e SC – registra 0,15% no fechamento do Plano Safra anterior.

Conheça o Sicredi
NACIONAL – O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, que exercem o papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi possui 116 cooperativas em 22 estados* e no Distrito Federal, possui mais de 1,5 mil agências e gera 22,8 mil empregos diretos em 1.229 municípios no país. Em 204 municípios brasileiros, o Sicredi é a única instituição financeira presente.
*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.
CENTRAL SICREDI SUL/SUDESTE (Consolidado RS e SC) – Reúne 43 cooperativas e 702 pontos de atendimento: 589 no RS, 109 em SC e 4 em Minas Gerais, atingiu os R$ 42,29 bilhões em Ativos Adm, registrando crescimento de 17,3%. Atualmente, somos 1.771.784 associados, tendo aumentado 2,4%. O Patrimônio Líquido ficou acima dos R$ 6,11 bilhões, com uma evolução de 17,2% sobre o ano passado. Os Depósitos Totais cresceram 17,8%, somando mais de R$ 24,56 bilhões. A Carteira de Poupança soma, até o momento, mais R$ 5,82 bilhões, avançando 44,8% no período. E as Operações de Crédito Totais registraram 19,9% de crescimento, somando mais de R$ 19,45 bilhões. Cobertura de 92% dos municípios do RS, onde em 100 municípios o Sicredi é a única instituição financeira presente. Em SC, tem cobertura em 27% do estado, tendo 3% da população catarinenses associada e 13% das empresas.

Share on:
WhatsApp

O post Sicredi disponibiliza R$ 6,93 bilhões para Santa Catarina e Rio Grande do Sul à safra 2018/2019 apareceu primeiro em Portal do Cooperativismo Financeiro.



Woop Sicredi: instituição financeira cooperativa lança sua conta digital

18 de Junho de 2018, 18:32, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

Solução traz inovação e amplia o acesso ao cooperativismo de crédito.

O Sicredi – presente em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal – lança sua conta digital. O Woop Sicredi foi desenvolvido para oferecer uma solução financeira cooperativa no ambiente digital para um público conectado e jovem de espírito, que procura resolver suas necessidades financeiras virtualmente, ao mesmo tempo em que colabora para o desenvolvimento da sua comunidade. A solução faz parte da transformação digital do Sicredi, que inclui a substituição progressiva dos sistemas que processam os produtos e serviços (core bancário).

O nome Woop vem de uma interjeição formada por meio da combinação de “wow” e “coop”, criando uma expressão moderna que pretende ser o som do cooperativismo nos ambientes digitais.

Um dos diferencias do Woop Sicredi é aliar inovação digital e cooperativismo, conectando pessoas e propósitos. O associado integra uma cooperativa de crédito do Sicredi, de acordo com a região onde mora, e pode participar – com direito a voto -, de assembleias nas quais acontecem as decisões estratégicas, e da distribuição dos resultados. Assim como os atuais associados do Sicredi, o usuário do Woop Sicredi tem, ao mesmo tempo, o papel de associado e de dono do negócio.

Por meio da solução, o usuário do Woop Sicredi (ou Wooper) poderá acessar informações sobre o desempenho da cooperativa em quesitos como poupança, crédito, número de associados, capital social e resultados estarão disponíveis online. No aplicativo, o Wooper também pode saber mais sobre os conceitos do cooperativismo de crédito, assim como da governança da cooperativa, acessando informações sobre como ela funciona, além de outras informações.

Inicialmente, no Woop Sicredi é possível associar-se e criar uma conta 100% digital, sem papel; ter acesso à conta corrente com pagamentos de contas de consumo e transferências; poupança; limites e créditos; cartão 100% digital; autenticação digital; programa de fidelidade e organizador financeiro. Baseado no desenvolvimento por meio de metodologia ágil, o Woop Sicredi vai gradualmente integrar novas funcionalidades. Para associar-se ao Woop Sicredi, assim como acontece na associação presencial às cooperativas que formam o Sicredi, é necessário integralizar um valor no capital social da cooperativa.

Outra facilidade do Woop Sicredi é o seu programa de fidelidade, com o qual o Wooper acumula valores (Mooedas) a partir do uso do cartão de crédito e pode usar esses valores diretamente em pagamentos como, por exemplo, o da cesta de relacionamento e outros relacionados à conta corrente. O aplicativo também disponibiliza um organizador financeiro, ferramenta que auxilia na organização e gestão da vida financeira do associado.

O Woop Sicredi é baseado no conceito de autosserviço e conta com diversos canais de atendimento digital como chat; videochamada; e-mail; redes sociais; FAQ, entre outros. Para baixar o Woop Sicredi, é só acessar as lojas de aplicativos dos sistemas Android e iOS ou o endereço www.woopsicredi.com.

 

Sobre o Sicredi
O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Share on:
WhatsApp

O post Woop Sicredi: instituição financeira cooperativa lança sua conta digital apareceu primeiro em Portal do Cooperativismo Financeiro.



Categorias

Gestão de Pessoas em Cooperativas, Desenvolvimento territorial, Finanças Solidárias, Crédito, Crédito e finanças
Tags deste artigo: crédito cooperativa finanças banco