Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

Nenhum artigo selecionado ainda.
 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

Workshop aborda certificação e mercado de orgânicos na Bahia

22 de Outubro de 2019, 13:11 , por Brenda Gomes - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 7 vezes

Dsc06849

Se existe um mercado que tem tido um crescimento significativo no Brasil e no mundo, este é o mercado de produtos orgânicos, que encontra-se em expansão, tanto no número de consumidores, como na produção e exportação de alimentos. Segundo o Cadastramento Nacional de Produtores orgânicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) até o mês de março de 2019, foram registrados 17,7mil produtores orgânicos, e 22 mil unidades de produção.

Compreendendo este potencial de mercado o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia - OCEB e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado da Bahia - SESCOOP/BA, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE/BA e o com a Federação da Agricultura e Pecuária - FAEB, realizaram na última segunda-feira (21/10) o workshop “Orgânicos: Certificação e Mercado”.

O evento, que reuniu representantes de cooperativas, associações e organizações não governamentais, foi realizado no auditório da FAEB e foi iniciado com as boas-vindas do presidente da instituição, Humberto Miranda Oliveira, que agradeceu a presença dos participantes e destacou a importância do tema para os produtores baianos, já que existe uma demanda do mercado nacional e internacional. “Essa parceria entre a OCEB, SESCOOP/BA e a FAEB é super importante pois temos uma missão em comum, que é capacitar os produtores para que possam encarar o mercado com mais competência técnica e de forma mais competitiva.”  Na oportunidade, o presidente do Sistema OCEB, Cergio Tecchio, reafirmou a importância da parceria entre as instituições e destacou a necessidade das cooperativas baianas terem mais acesso ao mercado de orgânicos. “Conhecer o mercado de orgânicos possibilitará as cooperativas do nosso estado trabalharem de uma forma mais estratégica e com mais qualidade”, afirmou.

Dsc06827

A programação foi voltada para abordagem de temas estratégicos para o mercado de orgânicos no estado. Para o agrônomo, da Cooperativa de Produtores Orgânicos e Biodinâmicos da Chapada Diamantina – COOPERBIO, Fábio Melo, o evento funcionou como um impulsionador para a cooperativa que já tem uma atuação no mercado. “Saber que temos o Sistema OCEB como incentivador é essencial para as cooperativas. Ganhamos mais estimulo quando participamos de eventos que considerem a importância deste mercado”, afirmou.

Para o palestrante Aldir Parisi, “as cooperativas muitas vezes não têm uma ideia clara de como funciona o mercado, e quais são as exigências para participar dele.  Quando você passa uma abordagem feita de fora para dentro, do que o mercado busca, e onde as cooperativas precisam buscar as suas estratégias de ações, de produtos, de preço, de distribuição, ela passa a entender melhor o porquê precisam de informação para encarar este mercado”.

Dsc06862

Trazendo a experiência da Cooperativa Mista Agropecuária de Paraguaçu – COOMAP, do Paraguaçu (MG), com o nicho de orgânicos e a certificação fairtrad, o superintendente da cooperativa, Renato de Melo, evidenciou sobre a necessidade das cooperativas brasileiras trocarem experiências acerca das suas atuações no mercado. “Muitas vezes uma experiência que foi desenvolvida no sul de Minas Gerais pode ser implantada aqui na Bahia, há uma grande necessidade das entidades  comunicarem entre si.”

Melo também destacou a demanda crescente do mercado de orgânicos nacional e internacional.  “O orgânico é uma cultura alimentar totalmente diferente.  É um negócio onde principalmente o mercado internacional está ávido para o consumo de produtos orgânicos, ou seja, tem uma demanda maior que a oferta. E nós como produtores temos que compreender que devemos  adequar a oferta em relação à demanda. Então, se nós temos uma procura maior, se está sendo viável financeiramente e tecnicamente, nós temos que trabalhar esses nichos”, afirmou.

 

Por ASCOM OCEB


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

* campo é obrigatório

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.