Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

INTERCOOPERAÇÃO: juntos somos mais fortes

25 de Janeiro de 2019, 18:53 , por Iasmin Santana - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 10 vezes
Shutterstock 699827038

Brasília (21/1/18) – No cooperativismo, ninguém fica para trás. Por isso, em vez de apenas celebrar o fato de que sete em cada dez cooperativas brasileiras já firmaram parcerias de intercooperação para crescer de maneira mais rápida e sustentável, o Sistema OCB está pensando em estratégias para elevar esse número ainda mais nos próximos anos. Afinal, a intercooperação é um dos princípios centrais do nosso movimento e traz benefícios perceptíveis para quem a ele adere (veja quadro). 

 

O primeiro passo dado pela Casa do Cooperativismo nesse sentido foi a realização de uma pesquisa com 268 cooperativas de 11 ramos do cooperativismo, em 9 estados brasileiros. O objetivo do estudo — realizado em parceria com a Confederação das Cooperativas Alemãs (DGRV) — era entender como a intercooperação acontecia na prática, no Brasil.  “Percebemos que gastávamos muito tempo falando da teoria e das vantagens da intercooperação, mas não da prática dessa atividade”, explica o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile. “A partir desse estudo, entendemos quais os ganhos reais da intercooperação, na visão das cooperativas, e quais os desafios enfrentados por elas no processo implementação dessas parcerias”, complementa.

 

Como cada ramo do cooperativismo tem suas particularidades, nesse primeiro momento, os pesquisadores identificaram os desafios e os resultados concretos da intercooperação no ramo agropecuário. Com isso, foi possível conhecer os principais obstáculos à intercooperação, no Brasil. “Na teoria, 99% das cooperativas acha a intercooperação importante ou muito importante para o sucesso de seus negócios. Só que na hora de colocar essa ideia em prática, o projeto as vezes não consegue sair do papel por desconhecimento de como esse tipo de parceria pode ser operacionalizado”, lamenta Nobile. 

 

Quem viveu essa dificuldade na prática (e superou) foi a Cooperativa Mista Agropecuária de Patos de Minas (Coopatos) — vencedora da edição 2018 do Prêmio SomosCoop Melhores do Ano, na categoria Intercooperação. Os gestores do empreendimento lideraram um acordo que criou uma Central Única de Compras para sete cooperativas da região, beneficiando diretamente cerca de 10 mil cooperados. José Francelino Dias, presidente da Coopatos, admite que o começo da negociação foi complicado. Havia uma certa desconfiança de algumas cooperativas, mas com muita conversa e colocando o bem do cooperativismo em primeiro lugar, o acordo foi assinado.

 

“A intercooperação veio para multiplicar nossa força, nossa capacidade de ação”, explica Dias. “A Central Única de Compras trouxe benefícios para quem mais importa: o cooperado. É nele que nossas cooperativas estão pensando, todos os dias”, afirma.

 

Os bons resultados obtidos pelo projeto — que movimenta cerca de R$ 870 milhões por ano — estão atraindo novos interessados para a Central de Compras. “Notamos que as cooperativas que ainda não estão dentro do nosso grupo de compras agora estão querendo entrar no projeto. E posso afirmar com certeza: quem está de fora só tem a perder”, garante o presidente da Coopatos.

 

MENSURAÇÃO DE RESULTADOS

Outro desafio importante da intercooperação é mensurar, de forma precisa, os resultados financeiros dessa prática, no Brasil. “Ainda temos um percentual muito baixo de cooperativas em condições de avaliar e medir, em números, qual o retorno financeiro desse tipo de parceria”, constata Renato Nobile.

 

A falta de dados concretos — como o percentual do aumento das receitas obtidas com esse tipo de acordo, por exemplo — prejudica a conscientização dos gestores cooperativistas sobre a importância desses acordos para a sustentabilidade financeira do negócio. “Os ganhos operacionais e de imagem são inegáveis e muito conhecidos, mas precisamos também de cifras e resultados financeiros. Eles são os mais adequados para mobilizar as cooperativas que ainda não aderiram à intercooperação”, pondera o superintendente.

 

Quem já conseguiu superar essa dificuldade de medir resultados com louvor foi a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro), segunda colocada do Prêmio SomosCoop Melhores do Ano, na categoria Intercooperação.

 

“Como nossa central de compras é completamente automatizada, não temos problema com a coleta de dados”, comemora Claudio Post, presidente da Fecoagro. “Hoje, todas as cooperativas compartilham seus pedidos dentro de um mesmo sistema para conseguirmos comprar em escala e negociar melhores preços. Por isso, conseguimos saber exatamente o retorno financeiro desse acordo para as 11 envolvidas:  R$ 24,6 milhões em economia, somente em 2017”. 

 

Post recorda que a assinatura do acordo de intercooperação Fecoagro só foi possível após uma série de reuniões e alinhamentos entre todos os dirigentes envolvidos no projeto. “A prática da intercooperação depende de confiança. E confiança se conquista com muito diálogo”, explica.

 

ABRINDO CAMINHOS

Consciente dos muitos benefícios da intercooperação, o Sistema OCB estuda maneiras de facilitar a concretização dessas parcerias no Brasil.  “Em nossa pesquisa, identificamos as áreas de maior interesse para nossas associadas. Os dirigentes entrevistados podiam escolher mais de um setor e demonstraram o desejo de firmar acordos comerciais (64%), na área industrial (57%) e de logística (50%)”, explica Clara.

 

O próximo passo será encontrar maneiras de abrir espaços de negociação entre cooperativas para facilitar e viabilizar a assinatura de parcerias.

 

Outro projeto da Casa do Cooperativismo, ainda sem previsão de lançamento, é a produção de um compêndio com as melhores práticas intercooperativas do Brasil. A publicação será disponibilizada a todas as cooperativas em formato digital. Assim, elas poderão se inspirar nas experiências de quem já vive, na prática, as melhorias trazidas pela intercooperação.

 

Para completar, em 2018, a Casa do Cooperativismo realizou um evento específico sobre o tema, intitulado “Intercooperação: compartilhamento de soluções tecnológicas. “Nossa ideia é criar oportunidades como essa, focada na troca de informações, para que as cooperativas enxerguem o que é possível fazer e como cada um de nós pode contribuir com o crescimento da intercooperação entre diversos ramos”, arremata o superintendente.

 

 Confira abaixo os principais resultados da intercooperação:

 

PARCERIAS COMERCIAIS

Fortalecimento/Melhoria da imagem

30%

Aumento do portfólio de produtos e serviços

40%

Economia gerada no negócio ou processo

45%

Oportunidade de vendas

57%

Aumento da competitividade

65%

 

PARCERIA FINANCEIRA

Economia gerada no negócio ou processo

39%

Oportunidade de vendas

39%

Fortalecimento/Melhoria da imagem

45%

Aumento da competitividade

57%

Capitalização

74%

 

PARCERIA INDUSTRIALIZAÇÃO

Fortalecimento/Melhoria da imagem

38%

Aumento do portfólio de produtos e serviços

45%

Aumento da competitividade

48%

Oportunidade de vendas

52%

Economia gerada no negócio ou processo

52%

 

FATORES PARA O SUCESSO DE UM ACORDO DE INTERCOOPERAÇÃO

28%

Vontade política

27%

Estrutura financeira

25%

Confiança

20%

Abertura para negociação

Outras

Ambiente comercial

Indicadores de desempenho

Relacionamento

Conhecimento sobre atuação de outros ramos

 

 

Fonte: Revista Saber Cooperar

Texto e imagem: Sistema OCB


Tags deste artigo: cooperativismo cooperativas economia intercooperação

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

* campo é obrigatório

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.