Ir para o conteúdo
ou

OCEB - Sindicato e Organização das Cooperativas da Bahia

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

Europa recebe representantes do cooperativismo brasileiro

17 de Novembro de 2014, 17:03 , por agenor costa dos santos junior - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 20 vezes

Ampliar o conhecimento sobre boas práticas no cooperativismo de crédito nacional e internacional. Com esse objetivo, a comitiva brasileira, que integra a sexta etapa do projeto “Prospecção de Boas Práticas Ramo Crédito”, visitou federações e cooperativas de crédito na Europa. O presidente do Sistema OCEB-SESCOOP/BA, Cergio Tecchio, foi um dos integrantes da comitiva e fala sobre esse intercâmbio

 

1 – O Conselho do Ramo Crédito na OCB – CECO iniciou em 2012 o processo de visitas às cooperativas da Bahia, Paraná, Rio Grande do Sul e de Rondônia, além das cooperativas do Canadá e Alemanha. Em 2014, as cooperativas da França e Holanda foram visitadas. Quais são os critérios utilizados na escolha das cooperativas visitadas?

Cergio Tecchio – Os critérios foram selecionar cooperativas que atuam em setores diferentes, regiões distintas, com públicos diferenciados e que sejam conhecidas pela sua atuação na comunidade. Assim, também, foram escolhidos os países em que o cooperativismo vem fazendo a diferença.

2 – Qual é o objetivo das visitas?

Cergio Tecchio – O propósito é conhecer as boas práticas do cooperativismo de crédito nas diferentes regiões do Brasil e em países onde o cooperativismo de crédito tem um destaque especial, conhecido pela sua atuação. Nesta última viagem estivemos na França e Holanda, onde visitamos e conhecemos o Credit Mutuel e Credit Agricole na França e o Rabobank na Holanda, além de visitarmos os bancos centrais dos dois países para conhecer a estrutura de governança, estrutura patrimonial, forma de representação, relacionamento com os cooperados e comunidades, serviços oferecidos, relacionamento com a autoridade de supervisão, formação dos integrantes das cooperativas e bancos, visão das autoridades de supervisão das cooperativas. Além disso, observamos as mudanças com a centralização no banco central europeu e as estratégias de relacionamentos com cooperativas de outros países.

3 – Qual avaliação o senhor faz desse trabalho de intercâmbio com cooperativas da Europa?

Cergio Tecchio - O cooperativismo de crédito na França e na Holanda vem se desenvolvendo há mais de cem anos com muita segurança e apoio da sociedade, com modelos organizacionais próprios e participações efetivas das comunidades onde as cooperativas atuam, buscando o desenvolvimento das pessoas na própria comunidade, além de levar crédito e produtos financeiros competitivos. As cooperativas, através de suas organizações, possuem uma grande participação no mercado financeiro desses países, são as lideres de mercado no segmento que atuam. O intercâmbio nos deu uma visão geram da organização e da atuação que são extremamente úteis como boas práticas para serem utilizados no cooperativismo brasileiro.

4 – O que mais chamou a atenção do senhor nas cooperativas de crédito visitadas?

Cergio Tecchio - O cooperativismo na França e Holanda me surpreendeu pela sua ligação forte com as comunidades e com a economia real dos associados e clientes, fazendo com que as cooperativas atendam às necessidades do crédito e serviços. A alta eficiência operacional e a governança foram outros aspectos que chamaram minha atenção. Além disso, o papel estratégico que ocupam como propulsoras do grande desenvolvimento nos mercados de instituições financeiras nos dois países.


5 – Entre as boas práticas observadas, qual merece destaque na opinião do senhor?

Cergio Tecchio - Os modelos de governança, que incluem a participação efetiva dos associados e dos funcionários das cooperativas, mantêm um equilíbrio muito forte entre a parte de representação dos sócios com a representação da parte operacional, gerando equilíbrio para as tomadas de decisão nos aspectos econômicos e sociais, característica própria das cooperativas, segundo o que nos foi apresentado nas visitas.

6 – Quanto ao cooperativismo de crédito praticado no Brasil, quais são os pontos que devem ser melhorados?

Cergio Tecchio - Estamos em processo de grandes oportunidades de melhorias e desenvolvimento do cooperativismo de crédito no Brasil. A implantação do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito – FGCoop  e a estruturação dos sistemas em escala nacional e regional para melhorar a eficiência e competitividade são aspectos positivos e que colaboram no crescimento do cooperativismo de crédito. Além disso, o surgimento da lei complementar 130 deu uma nova forma de governança e segurança jurídica, mas a maior oportunidade de melhoria está na capacitação dos dirigentes, gestores e colaboradores, com direcionamento para o cooperativismo de crédito que vem sendo apoiado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo – SESCOOP.


7 – O cooperativismo de crédito no Brasil está preparado para desenvolver os mesmos trabalhos das cooperativas internacionais? 

Cergio Tecchio - As cooperativas de crédito no Brasil têm suas peculiaridades, fazendo com que busquemos nossos caminhos e espaços nos mercados. Os exemplos internacionais são extremamente importante, mas temos que adaptá-los para realidade brasileira. Acredito que estamos no caminho certo, mas precisamos acelerar os nossos processos de ocupação de espaços com o desenvolvimento de produtos adequados e nos aproximar, cada vez mais, dos nossos associados e das nossas comunidades onde as cooperativas estão atuando. Esses novos processos que estamos desenvolvendo no cooperativismo, com apoio das autoridades do governo, nos fará mais competitivos e mais próximos do cooperativismo dos países que visitamos.

Sobre o Projeto “Prospecção de Boas Práticas Ramo Crédito”

O projeto “Prospecção de Boas Práticas Ramo Crédito” foi iniciado em setembro de 2012 com visitas às cooperativas do Rio Grande do Sul, do Paraná, da Bahia e de Rondônia. No ano passado, o grupo esteve no Canadá e na Alemanha. Participam representantes do governo, Banco Central do Brasil e Ministério da Fazenda, dos Sistemas de crédito (Sicoob, Unicred, Sicredi, Confesol), das cooperativas e centrais não filiadas (Cecred e Credicoamo), Sebrae e de Confederação Nacional de Auditoria Cooperativa (CNAC).


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.