Ir para o conteúdo
ou

OCEB - Sindicato e Organização das Cooperativas da Bahia

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Notícias

31 de Janeiro de 2013, 0:00 , por Desconhecido - | 1 pessoa seguindo este artigo.

Alinhamento estratégico: plano de trabalho do Sistema OCEB para 2015 é apresentado

28 de Novembro de 2014, 14:18, por agenor costa dos santos junior - 0sem comentários ainda

Analisar o andamento do plano estratégico que está em execução e alinhar as ações que foi e está sendo planejada para os próximos anos. Com esses objetivos, lideranças do cooperativismo baiano se reuniram nos dias 21 e 22 de novembro, em Salvador, para conhecer e uniformizar ideias acerca do Planejamento Estratégico do Sistema OCEB-SESCOOP/BA 2015-2018. 

Na oportunidade, o Superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, apresentou o Planejamento Estratégico da OCB e destacou a importância do Sistema OCEB-SESCOOP/BA em promover o evento. “A iniciativa da OCEB é fantástica, pois possibilita e reforça a uniformidade do discurso cooperativista e o planejamento tem papel significativo. Além disso, reunir os dirigentes e o grupo de trabalho do Sistema OCEB para dialogar e alinhar ideias, de acordo com o planejamento da entidade, garante a elaboração de projetos com mais viabilidade de execução.”

Os presentes conheceram, também, o Plano de Trabalho do Sistema OCEB para 2015 e avaliaram as ações desenvolvidas em 2014. A presidente da cooperativa COOEDUC, Verônica Alves, destaca o trabalho desenvolvido pelo SESCOOP/BA na promoção do cooperativismo no ano de 2014. “As ações apoiadas e promovidas pela entidade geraram resultados positivos, a exemplo da Feira da Cooperação da COOEDUC que refletiu no aumento de matrículas na cooperativa.” Ainda de acordo com a presidente, a proposta do evento é louvável, pois os processos ficam mais transparentes, além de garantir a participação de todos em um momento importante para o cooperativismo baiano. 

Para o presidente do Sistema OCEB-SESCOOP/BA, Cergio Tecchio, o cooperativismo está passando por grandes mudanças e o planejamento estratégico é uma prova desse processo. “O novo planejamento está provocando mudanças na postura cooperativista, além de acompanha uma tendência mundial. Os valores e a competitividade devem se fazer presente no dia a dia das cooperativas. Desta forma, garantiremos o andamento dos negócios e apresentamos resultados aos associados, gerando felicidade e contribuindo para o bem-estar de todos.” Ainda de acordo com o presidente, o alinhamento visa dar condições para que todos os integrantes do sistema OCEB e SESCOOP Bahia, quer seja dirigentes ou funcionários, tenham condições de desenvolver e executar o planejamento estratégico sistêmico. 



Cooperativa baiana fica com o troféu de 1º lugar do Prêmio Cooperativa do Ano 2014

26 de Novembro de 2014, 15:44, por agenor costa dos santos junior - 0sem comentários ainda

“Estávamos muito ansiosos durante o anúncio do campeão da nossa categoria, todo um clima de suspense foi produzido, com musiquinha e tudo, e o terceiro lugar foi anunciado. Na sequência, a emoção já tinha dominado todo mundo e quando saiu o segundo lugar fizemos uma festa, pois a COLIVRE confirmava sua posição em primeiro lugar. Foi muito emocionante”, relata Daniela Feitosa, presidente da COLIVRE. 

Ainda de acordo com a presidente, o prêmio tem um significado especial para o movimento abraçado pela cooperativa, que é a utilização de software livre. “Esse prêmio colabora para disseminação do software livre e auxilia na visibilidade do trabalho desenvolvido pela nossa cooperativa, além de possibilitar novas oportunidades de negócios.”

Conheça um pouco do NOOSFERO

O Noosfero é uma plataforma web para redes sociais e redes de economia solidária na internet que integra ferramentas como perfil de pessoas, comunidades e empreendimentos, blogs, portfólios online, CMS para sites, RSS, fóruns, chats, eventos e compartilhamento de ideias  em um mesmo sistema.

Lançado em 2009, o Noosfero é também um projeto de software livre, desenvolvido pela Colivre junto com a contribuição de uma comunidade de desenvolvedores espalhados pelo mundo que garantem o lançamento de novas versões frequentemente.

O Noosfero, por exemplo, é a plataforma que dá vida à rede SoftwareLivre.org, a plataforma da Economia Solidária Cirandas.net, a Rede Olá, além de projetos em países como Alemanha e Japão.

 

A COLIVRE

Fundada em 2006, a cooperativa procura disseminar os ideais do Software Livre, fornecendo soluções tecnológicas para os diversos setores da sociedade. Além disso, trabalha para proporcionar o bem-estar das(os) sócias(os) e parceiras(os), respeitando o meio ambiente e vivenciando os princípios do consumo responsável. 

O Prêmio Cooperativa do Ano 

Em 2004, o Sistema OCB, em parceria com a revista Globo Rural, da Editora Globo, deu início a premiação, que teve como objetivo reconhecer os melhores trabalhos desenvolvidos pelo cooperativismo agropecuário. Ao longo das edições, o prêmio foi se reconfigurando e mais cooperativas puderam participar, mostrando experiências bem-sucedidas em seus ramos de atuação. A intenção do Prêmio é destacar projetos de cooperativas que tenham proporcionado benefícios aos seus cooperados e à comunidade. Em 2014, ao todo, 185 cooperativas, representando 21 estados e 10 ramos, inscreveram 273 projetos nas sete categorias da disputa. A última edição foi realizada em 2012 e contou com 212 projetos de 138 inscritas oriundas de 20 unidades da Federação. 



Rede de Produtores: novo modelo de negócio será discutido no oeste da Bahia

19 de Novembro de 2014, 16:12, por agenor costa dos santos junior - 0sem comentários ainda

Modelo de negócio utilizado nos Estados Unidos para fortalecer o produtor e agregar valor a cadeia produtiva será apresentado em Barreiras e Luís Eduardo Magalhães. Segundo dados da Organização das Cooperativas Brasileira (OCB), o sistema cooperativista representa hoje, mais de 6,8 mil cooperativas em 13 ramos de atuação em todo o país. No setor agropecuário, esse número ultrapassa 1,5 mil o que representa direta ou indiretamente cerca de 50% da produção agrícola nacional, considerando apenas as culturas de trigo, soja, café, algodão, milho, arroz e feijão.

Para discutir o segmento cooperativista que tem o maior número de associados e gera mais empregos, com pelo menos 164 mil postos de trabalho e mais de 1 milhão de cooperados, o Sistema OCEB traz para oeste do Estado, um dos principais especialistas em estratégia e organização de cooperativas, professor associado na Universidade de Missouri (EUA) e professor adjunto no Insper, Fabio Ribas Chaddad.
 
Em rápida visita, Chaddad terá dois encontros com os produtores do oeste baiano. O primeiro em Barreiras, na segunda-feira, 24 de novembro, às 18h no Auditório da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia – AIBA e outro em Luís Eduardo Magalhães, no dia 25 de novembro, às 8h, no Auditório da Fundação BA. Na pauta, assuntos estratégicos do agronegócio, riscos do crescimento horizontal da produção; estratégias de verticalização e o papel das redes de produtores como modelo de negócio e alternativa na agregação de valores.
 
O evento é gratuito e aberto para produtores, consultores, cooperativas agropecuárias e outras, cooperados, universitários e demais interessados.
 
Fabio Chaddad
Ph.D. em Economia Aplicada, com especialização em Agronegócios pela University of Missouri, Mestre em Administração (FEA/USP) e Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP). Atualmente é Professor Associado na University of Missouri e Professor Adjunto no Insper.  Já foi professor na Washington State Univertity (2002-2004) e no Insper (2004-2007), onde foi Coordenador Acadêmico do curso de Administração e participou do Centro de Estratégia.
 
SERVIÇO
Palestra “Como agregar no Agronegócio: O papel das redes de produtores”
 
Barreiras
24 de novembro, às 18h, Auditório AIBA
 
Luís Eduardo Magalhães
25 de novembro, às 8h, Auditório Fundação Bahia
 
*Entrada Franca

Fonte: (ASCOM COOPERFARMS)



IV Workshop dos Profissionais de Secretariado da Bahia

19 de Novembro de 2014, 10:18, por agenor costa dos santos junior - 0sem comentários ainda

Os profissionais de secretariado das cooperativas baianas se reuniram nos dias 14 e 15 de novembro, em Salvador, para debater e construir conhecimento, além de compartilhar  experiências e reforçar os valores e crenças que norteiam a postura ética do secretário(a). Essas foram as bases do IV Workshop dos Profissionais de Secretariado. O evento foi promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado da Bahia – SESCOOP/BA.

No primeiro dia do workshop, os trabalhos foram iniciados com a mensagem da gerente de desenvolvimento de cooperativas, Jussiara Lessa, que destacou a importância dos profissionais dentro das cooperativas e reforçou o compromisso do SESCOOP/BA em promover ações que colaborem para o crescimento do cooperativismo baiano. Na sequência, o presidente do Sistema OCEB-SESCOOP/BA, Cergio Tecchio, apresentou o Planejamento Estratégico do Sistema OCB e reforçou a importância de planejar para alcançar metas e conquistar novos horizontes.

De acordo com o presidente, os profissionais devem internalizar os valores e a missão do cooperativismo. “Ser cooperativa é praticar os princípios e doutrinas do cooperativismo e utilizá-los como ferramenta de transformação. Desta forma, os profissionais devem integrá-los no seu dia a dia.” Fechando a programação do dia 14, os participantes conferiram as palestras “Escrevendo com clareza e eficácia no mundo dos negócios”, ministrada pela mestra em educação, Lucília Santa Rosa e “Organização de Reuniões e Elaboração de Atas”, conduzida pela secretária-executiva, Daisy Torres Lima.

“Achei o primeiro dia muito bom e enriquecedor, pois tivemos a oportunidade de aprender e tirar muitas dúvidas. O conteúdo passado pelas palestrantes vai contribuir para o nosso trabalho e no desenvolvimento das nossas cooperativas”, comenta o secretário da cooperativa COPEPES, Gilmario de Matos. 

No segundo e último dia do evento, os participantes foram recebidos pelo doutor em aprendizagem organizacional, Jader Souza, que orientou uma dinâmica e palestrou sobre “Lidando com as Mudanças: O Novo Perfil da Secretária Executiva do Século XXI”. Para a secretária da cooperativa COOPERCAP, Lorena Santos Ribeiro, os dois momentos foram interessantes e foi uma oportunidade de crescimento pessoal e profissional. “Achei o evento sensacional. Tudo que aprendemos, com certeza, fará grande diferença em nossa rotina profissional, além de contribuir em nossas relações interpessoais.” Ainda de acordo com a secretária, o conhecimento adquirido durante a palestra de Lucília Santa Rosa será empregado no seu dia a dia. “A palestra 'Escrevendo com clareza e eficácia no mundo dos negócios’ foi bastante esclarecedora e colocarei em prática tudo que foi passado pela professora, pois a comunicação interna e externa tem um papel significativo no mundo dos negócios”, completa.



Europa recebe representantes do cooperativismo brasileiro

17 de Novembro de 2014, 17:03, por agenor costa dos santos junior - 0sem comentários ainda

Ampliar o conhecimento sobre boas práticas no cooperativismo de crédito nacional e internacional. Com esse objetivo, a comitiva brasileira, que integra a sexta etapa do projeto “Prospecção de Boas Práticas Ramo Crédito”, visitou federações e cooperativas de crédito na Europa. O presidente do Sistema OCEB-SESCOOP/BA, Cergio Tecchio, foi um dos integrantes da comitiva e fala sobre esse intercâmbio

 

1 – O Conselho do Ramo Crédito na OCB – CECO iniciou em 2012 o processo de visitas às cooperativas da Bahia, Paraná, Rio Grande do Sul e de Rondônia, além das cooperativas do Canadá e Alemanha. Em 2014, as cooperativas da França e Holanda foram visitadas. Quais são os critérios utilizados na escolha das cooperativas visitadas?

Cergio Tecchio – Os critérios foram selecionar cooperativas que atuam em setores diferentes, regiões distintas, com públicos diferenciados e que sejam conhecidas pela sua atuação na comunidade. Assim, também, foram escolhidos os países em que o cooperativismo vem fazendo a diferença.

2 – Qual é o objetivo das visitas?

Cergio Tecchio – O propósito é conhecer as boas práticas do cooperativismo de crédito nas diferentes regiões do Brasil e em países onde o cooperativismo de crédito tem um destaque especial, conhecido pela sua atuação. Nesta última viagem estivemos na França e Holanda, onde visitamos e conhecemos o Credit Mutuel e Credit Agricole na França e o Rabobank na Holanda, além de visitarmos os bancos centrais dos dois países para conhecer a estrutura de governança, estrutura patrimonial, forma de representação, relacionamento com os cooperados e comunidades, serviços oferecidos, relacionamento com a autoridade de supervisão, formação dos integrantes das cooperativas e bancos, visão das autoridades de supervisão das cooperativas. Além disso, observamos as mudanças com a centralização no banco central europeu e as estratégias de relacionamentos com cooperativas de outros países.

3 – Qual avaliação o senhor faz desse trabalho de intercâmbio com cooperativas da Europa?

Cergio Tecchio - O cooperativismo de crédito na França e na Holanda vem se desenvolvendo há mais de cem anos com muita segurança e apoio da sociedade, com modelos organizacionais próprios e participações efetivas das comunidades onde as cooperativas atuam, buscando o desenvolvimento das pessoas na própria comunidade, além de levar crédito e produtos financeiros competitivos. As cooperativas, através de suas organizações, possuem uma grande participação no mercado financeiro desses países, são as lideres de mercado no segmento que atuam. O intercâmbio nos deu uma visão geram da organização e da atuação que são extremamente úteis como boas práticas para serem utilizados no cooperativismo brasileiro.

4 – O que mais chamou a atenção do senhor nas cooperativas de crédito visitadas?

Cergio Tecchio - O cooperativismo na França e Holanda me surpreendeu pela sua ligação forte com as comunidades e com a economia real dos associados e clientes, fazendo com que as cooperativas atendam às necessidades do crédito e serviços. A alta eficiência operacional e a governança foram outros aspectos que chamaram minha atenção. Além disso, o papel estratégico que ocupam como propulsoras do grande desenvolvimento nos mercados de instituições financeiras nos dois países.


5 – Entre as boas práticas observadas, qual merece destaque na opinião do senhor?

Cergio Tecchio - Os modelos de governança, que incluem a participação efetiva dos associados e dos funcionários das cooperativas, mantêm um equilíbrio muito forte entre a parte de representação dos sócios com a representação da parte operacional, gerando equilíbrio para as tomadas de decisão nos aspectos econômicos e sociais, característica própria das cooperativas, segundo o que nos foi apresentado nas visitas.

6 – Quanto ao cooperativismo de crédito praticado no Brasil, quais são os pontos que devem ser melhorados?

Cergio Tecchio - Estamos em processo de grandes oportunidades de melhorias e desenvolvimento do cooperativismo de crédito no Brasil. A implantação do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito – FGCoop  e a estruturação dos sistemas em escala nacional e regional para melhorar a eficiência e competitividade são aspectos positivos e que colaboram no crescimento do cooperativismo de crédito. Além disso, o surgimento da lei complementar 130 deu uma nova forma de governança e segurança jurídica, mas a maior oportunidade de melhoria está na capacitação dos dirigentes, gestores e colaboradores, com direcionamento para o cooperativismo de crédito que vem sendo apoiado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo – SESCOOP.


7 – O cooperativismo de crédito no Brasil está preparado para desenvolver os mesmos trabalhos das cooperativas internacionais? 

Cergio Tecchio - As cooperativas de crédito no Brasil têm suas peculiaridades, fazendo com que busquemos nossos caminhos e espaços nos mercados. Os exemplos internacionais são extremamente importante, mas temos que adaptá-los para realidade brasileira. Acredito que estamos no caminho certo, mas precisamos acelerar os nossos processos de ocupação de espaços com o desenvolvimento de produtos adequados e nos aproximar, cada vez mais, dos nossos associados e das nossas comunidades onde as cooperativas estão atuando. Esses novos processos que estamos desenvolvendo no cooperativismo, com apoio das autoridades do governo, nos fará mais competitivos e mais próximos do cooperativismo dos países que visitamos.

Sobre o Projeto “Prospecção de Boas Práticas Ramo Crédito”

O projeto “Prospecção de Boas Práticas Ramo Crédito” foi iniciado em setembro de 2012 com visitas às cooperativas do Rio Grande do Sul, do Paraná, da Bahia e de Rondônia. No ano passado, o grupo esteve no Canadá e na Alemanha. Participam representantes do governo, Banco Central do Brasil e Ministério da Fazenda, dos Sistemas de crédito (Sicoob, Unicred, Sicredi, Confesol), das cooperativas e centrais não filiadas (Cecred e Credicoamo), Sebrae e de Confederação Nacional de Auditoria Cooperativa (CNAC).