Ir para o conteúdo
ou

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Blog

31 de Janeiro de 2013, 0:00 , por Desconhecido - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
A cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada por uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente, com forma e natureza jurídica próprias, de natureza civil, sem fins lucrativos, constituída para prestar serviços a seus associados. Assim, essa comunidade online é um ambiente digital voltado para promoção e diálogos sobre esse ramo do Cooperativismo.

Crédito Unicred, tema debatido em um evento focado em validar as melhores soluções ao cooperado

26 de Junho de 2017, 17:30, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

O grupo de trabalho do Crédito Unicred esteve reunido nos dias 21 e 22 de junho, em Porto Alegre, para discutir a nova estrutura de política de crédito do Sistema Unicred, abordando temas como direcionadores estratégicos, expectativas, impactos, trocas de experiências e abrangência sistêmica, sem deixar de considerar cenários e singularidades de Centrais e Cooperativas, além de um atento olhar para as melhores práticas a serem oferecidas ao Cooperado.

Com a presença de representantes da Confederação, das Centrais Rio Grande do Sul, Santa Catarina/Paraná, Rio de Janeiro/Mato Grosso e Multirregional/Minas Gerais, Bahia e São Paulo, além de representantes das cooperativas, cerca de 70 stakeholders do Sistema Unicred, divididos em grupos de trabalho, debateram uma pauta que permitiu refletir e trocar experiências a respeito de temas como representatividade do CRÉDITO, principais modalidades, estratégias da carteira de crédito, inovação em processos e produtos e a própria Cultura de Crédito do Sistema Unicred.

O evento, rico em discussões de alto nível, contou com os facilitadores Carlos Nogueira e Maurício Rodrigues, da IntelliSearcth, que apoiaram, com suas experiências, na construção de uma rede de cenários focados em soluções que agreguem valor ao portfólio de produtos de crédito.

Para Gustavo Saltiel, Diretor de Negócios e Administrativo da Unicred Central RS, este evento é um marco para o Sistema Unicred. As iniciativas e proposições discutidas tem reflexo e impacto direto no modelo de negócio, refletindo em um posicionamento cada vez mais estratégico, com foco no atendimento as necessidades dos nossos cooperados, preservando a perenidade e o desenvolvimento sustentável do nosso Sistema.

Já Edson Solka, Diretor de Tecnologia e Operações da Unicred do Brasil, destaca a inovação como um importante legado desse encontro. “Foi uma oportunidade ímpar para participarmos, com representantes de todo o Sistema, de discussões não apenas pautadas na revisão de documentação, mas também voltadas para trazer o novo, a inovação para a proposição de linhas de crédito,” avalia Solka.

SOBRE A UNICRED

A Unicred é uma instituição financeira cooperativa, fundada em 1989, com origem na área médica e profissionais da área da saúde, atuando hoje de forma mais abrangente. Oferece os mesmos produtos e serviços dos tradicionais bancos, como: conta corrente, linhas de crédito e financiamentos, cartões, seguros e previdência entre outros, mas com as vantagens de ser uma cooperativa de crédito. Atualmente reúne mais de 183 mil associados, em 4 centrais, 34 cooperativas e 236 unidades de negócios. Conheça mais sobre a Unicred no site: unicred.com.br



Governança nas Instituições Financeiras Cooperativas: o Delegado como Extensão da Administração, por Ênio Meinen

26 de Junho de 2017, 12:30, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

“Nas minhas equipes, o goleiro é o primeiro atacante, e o artilheiro, o primeiro defensor”. (Johan Cruyff)

A instituição do regime de delegados tem como primeiro objetivo substituir o mecanismo de participação direta dos associados no processo assemblear da cooperativa (pré-assembleias e assembleias gerais/finais).

As cooperativas que adotam tal modelo de representação, invariavelmente têm ampliado, em escala considerável, a presença de associados nas pré-assembleias. A maior mobilização deve-se à percepção mais efetiva de pertencimento dos cooperados, que se veem valorizados – e motivados – diante da representação por lideranças próximas das respectivas comunidades ou grupos homogêneos.

Esse mecanismo também qualifica o processo assemblear, visto que os temas objeto de pauta passam a ser melhor debatidos e mais bem compreendidos. Adicionalmente, racionaliza custos e economiza tempo na medida em que dispensa o conjunto dos cooperados de se dirigirem para os locais de realização da assembleia geral/final, não raro distantes de suas comunidades de origem.

Para que a interlocução entre a administração e os delegados possa ser efetiva, abrangente, fluida e tempestiva, é necessário que se instituam canais de comunicação apropriados e de fácil acesso. A utilização de meios eletrônicos (e-mails, mensagens instantâneas por telefone, sites e outros) torna-se indispensável para cumprir esse propósito.

No que se refere à escolha dos delegados é aconselhável que se apliquem critérios idênticos aos defendidos em relação aos conselheiros, sobretudo com relação à representatividade geográfica e demográfica (profissão, idade, gênero etc.).

Por fim, diante da liderança que exerce e da sua maior proximidade com a administração, o delegado – além de se fazer presente nos encontros assembleares – pode cumprir outros papéis relevantes na cooperativa, notadamente enquanto não houver sido instituída forma de organização do quadro social (por núcleos ou equivalentes). São eles, por exemplo:

a) representar a cooperativa perante os associados, em apoio ou extensão aos conselheiros de administração;

b) estimular e conduzir o debate de assuntos relacionados com o desenvolvimento da cooperativa, promovendo encontros com os associados representados;

c) incentivar os cooperados a participarem ativamente da vida da cooperativa, por meio da presença em reuniões, palestras, pré-assembleias e outros encontros a eles destinados;

d) participar de eventos da comunidade, inclusive em representação à administração da cooperativa ou na companhia do (s) correspondente (s) conselheiro (s) de administração;

e) difundir entre os associados e nas respectivas comunidades as virtudes do modelo cooperativo;

f) incentivar os cooperados a utilizarem produtos e serviços da própria cooperativa, sempre dando o exemplo;

g) identificar associados potenciais e recomendar-lhes a cooperativa;

h) informar a administração sobre oportunidades de negócios na sua área de representação ou que sejam de caráter geral;

i) defender a cooperativa em todas as situações, notadamente em casos de manifestação pública depreciativa;

j) patrocinar perante a administração as reivindicações e proposições dos associados representados, e dar a eles o devido e tempestivo retorno, inclusive em relação aos temas discutidos e deliberados em assembleia geral;

k) noticiar ao conselho de administração e ao conselho fiscal, por qualquer dos seus membros, eventuais ou possíveis irregularidades e outras ocorrências relevantes;

l) ter e demonstrar ATITUDE DE DONO da cooperativa, preparando-se ainda, para, no futuro, ocupar funções na administração (conselheiro de administração ou fiscal, por exemplo).

Enfim, quanto maior o engajamento dos diferentes componentes da governança para o alcance dos objetivos da cooperativa – todos jogando juntos, na busca do gol -, mais representativos serão os resultados do empreendimento.

* Texto baseado no livro “Cooperativismo financeiro: virtudes e oportunidades” (Confebras, 2016)



O relacionamento entre as pessoas é um dos grandes diferenciais de uma cooperativa

26 de Junho de 2017, 11:45, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

Dia Internacional do Cooperativismo 2017O cooperativismo é um estilo de vida, organizado através da união das pessoas em torno de objetivos comuns. As cooperativas seguem princípios e valores únicos, percebidos pelas mais de 1 bilhão de pessoas associadas a elas. Recentemente, em 2012, a ONU reconheceu que “cooperativas constroem um mundo melhor”, estando comprovado que, entre outros aspectos, o cooperativismo gera: desenvolvimento local, equidade, empreendedorismo, manutenção de empregos, riqueza, inclusão social, desenvolvimento de lideranças, integração e organização social. O cooperativismo demonstra na prática que as pessoas podem viver conjuntamente, baseados na ajuda mútua, sem renunciar a sua individualidade, a propriedade privada e às características pessoais e naturais de cada um.

Uma cooperativa é uma empresa local, com sede na própria região, cujas decisões são tomadas em assembleia, com a presença de grande número de associados (em que outro lugar isto ocorre nos dias de hoje?), que elegem dentre si pessoas para fazer a administração/gestão estratégica da cooperativa, fortalecendo assim os vínculos de relacionamento, confiança e transparência entre si, tudo isto com o objetivo de obter melhores produtos ou serviços para si próprios. A lógica de uma cooperativa é “fazer nós mesmos, com melhor qualidade, proximidade e, se possível, com preços justos/adequados, aquilo que outro faria para nós com o objetivo de lucrar às nossas custas”.

Vários são os benefícios gerados por uma cooperativa, mas os mais percebidos pelas pessoas que com ela operam são os vínculos de relacionamento e a proximidade existente entre as pessoas, aspectos estes que tanto fazem falta no mundo em que vivemos.

Como seria nosso planeta se todos adotassem o cooperativismo como estilo de vida? Com certeza seria um mundo melhor.



Sicredi recebe Prêmio Top de Marketing 2017 em São Paulo

25 de Junho de 2017, 13:15, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

Estratégia de crescimento da primeira instituição financeira cooperativa do Brasil é reconhecida na categoria Serviços Financeiros.

O Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 3,5 milhões de associados em todo o Brasil, recebeu, pela primeira vez em São Paulo, o Prêmio Top de Marketing 2017. O case de crescimento e expansão para o principal centro financeiro do País rendeu ao Sicredi, que oferece os mesmos serviços de um banco tradicional com o diferencial de não visar lucro, o reconhecimento da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB), seccional São Paulo, na categoria Serviços Financeiros.

O evento, considerado o “Oscar do Marketing e Vendas do País”, reuniu no dia 21 de junho, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, as empresas premiadas nas 36 categorias do prêmio. A novidade nessa edição especial é a metodologia, capaz de identificar as grandes sacadas do mercado, com base na análise dos resultados alcançados, impacto e engajamento do público-alvo.

No caso do Sicredi, os dados justificam o destaque de sua estratégia de marketing para chegar a São Paulo e expandir sua área de atuação, consolidando a presença nacional. Graças às iniciativas das cooperativas que integram o Sistema Sicredi, a marca passou a ser reconhecida no mercado mais disputado do País. Em maio de 2016, por exemplo, foi inaugurada a flagship store em um endereço emblemático de São Paulo – a Avenida Paulista. O espaço de 780 m² é mais do que uma agência, pois oferece um ambiente interativo e colaborativo de promoção do cooperativismo e tem a meta de agregar ao menos cinco mil novos associados à cooperativa de crédito. O resultado dessa iniciativa foi a visibilidade nacional nos principais veículos de comunicação nacionais e a concretização da atuação ao mesmo tempo próxima e ampla que a instituição oferece como grande diferencial.

Essa, no entanto, foi apenas uma das inúmeras inaugurações que o estado viu ao logo dos últimos três anos, capitaneadas pelas 25 cooperativas Sicredi que atuam em São Paulo, de forma integrada. No total, o estado conta com aproximadamente 130 unidades, e está prevista a abertura de pelo menos outras 20 em 2017, como nas cidades de Campinas e Franca.

Para o presidente da Central Sicredi PR/SP/RJ e da Sicredi Participações S.A., Manfred Alfonso Dasenbrock, reforçar a atuação no estado de São Paulo é motivo de orgulho e também de muita responsabilidade, pois permite levar os benefícios e diferenciais competitivos do cooperativismo de crédito para o estado mais populoso do Brasil. “O modelo de negócio do Sicredi aposta na proximidade e no relacionamento e só dessa maneira é possível crescer. Para fazer isso acontecer, é preciso investir em pessoas e infraestrutura”, explica.

Além do aumento da rede de atendimento, o Sicredi também investiu em relacionamento com a comunidade em ações diferenciadas. Entre elas, o patrocínio da Copa São Paulo de Futebol Júnior (Copinha) e Copa do Brasil. Eventos como o tradicional Agrishow, em Ribeirão Preto, e a Feira do Empreendedor do Sebrae/SP também contam com a presença da marca, além dos esforços localizados em cada cidade onde o Sicredi possui presença. O case premiado também aborda a estratégia de criação de vínculos com os associados, como são chamados os usuários das cooperativas, através dos programas Crescer, Pertencer e a União Faz a Vida.

De acordo com o gerente de Marketing da Central Sicredi PR/SP/RJ, Rogério Leal, incentivar esses eventos fortalece as iniciativas do estado de São Paulo e reforça a presença da cooperativa nas comunidades onde ela está presente. “Apoiamos desde esportes coletivos até grandes eventos para estimular os ideais da cooperação, que envolve somar forças para ir mais longe e crescer de maneira sólida”, analisa.

Segundo ele, receber o Top de Marketing é mais um incentivo ao trabalho que vem sendo feito com o intuito de disseminar a fortalecer ainda mais o cooperativismo de crédito no Brasil. “Já recebemos esse prêmio da ADVB no Rio Grande do Sul e no Paraná e agora temos a honra de sermos reconhecidos em São Paulo, que acaba reverberando nacionalmente. Isso mostra que estamos no caminho certo e que nossa estratégia de marketing está sendo efetiva”, celebra.

Em 2016, a organização atingiu crescimento de 36,1% e um resultado líquido recorde de R$ 1,96 bilhão. Esses números são consequência de um posicionamento bastante particular do Sicredi: o atendimento próximo, simples e ativo. Isso significa que, para crescer, é preciso estar cada vez mais perto do seu público e de forma relevante. E o Sicredi fez exatamente isso, ao fortalecer de maneira estratégica sua presença no estado de São Paulo.

 

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,4 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 20 estados*, com 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros.

Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.

*Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.



Consórcio: benefício e planejamento

25 de Junho de 2017, 13:00, por Portal do Cooperativismo Financeiro - 0sem comentários ainda

É fato conhecido que faz parte do perfil do consumidor brasileiro comprar sem o devido planejamento. A atitude impulsiva, no entanto, acaba por impedir que investimentos mais acertados sejam realizados. Desde a aquisição de pequenos itens até a compra de bens de grande valor podem ser afetadas por decisões que são frutos dessa carência na educação financeira. Estudar as possibilidades é, sem duvida, o primeiro passo. Um exemplo dessa necessidade de organização pode ser percebido durante a compra de um imóvel. Sonho comum entre a maioria da população, comprar um apartamento ou casa se tornou mais difícil nos últimos tempos. A restrição de crédito e os juros altos dos financiamentos tornaram a concretização desse desejo mais desafiadoras.

No entanto, basta observar o mercado para perceber que existem alternativas. Dentre as mais atraentes está, sem dúvidas, o consórcio. A fórmula desse tipo de opção não chega a ser novidade. Formados por pessoas que têm por objetivo adquirir um bem, todos contribuem mensalmente, formando um fundo. Com o valor acumulado todos os meses são sorteados os consorciados que receberão a carta de crédito. Outro meio de ser contemplado é com lances, que posteriormente são abatidos das parcelas restantes.

Entre os grandes benefícios desse modelo estão a inexistência de entrada, bolsões ao longo dos meses e, por fim, dos juros altos comuns em financiamentos. Outra vantagem é que com o recebimento da carta de crédito é possível ao comprador negociar o valor do imóvel à vista.

Os atrativos do consórcio aos poucos começam a ser notados pela população. Prova disso são os dados oferecidos pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac) que registravam até março mais de 808,5 mil consorciados no setor de imóveis. Com cartas de valor médio de R$ 111 mil os consórcios movimentaram somente no primeiro trimestre mais de R$ 5,21 bilhões em créditos comercializados e R$ 1,86 bilhão em créditos concedidos.

Oferecido por instituições financeiras como bancos e cooperativas, mesmo após a contemplação o consorciado permanece pagando valores inferiores dos que seriam desembolsados em um financiamento. Contudo, é importante ressaltar que o consórcio precisa ser fruto de planejamento, já que a retirada da carta de crédito pode levar meses. Com educação financeira e organização orçamentária é possível concretizar sonhos, mas não basta desejar, é fundamental colocar em prática com sabedoria.

*Fabiano Oliveira da Silva, Assessor de Meios de Pagamento, responsável pelo produto Consórcio na Unicred SC/PR



Categorias

Gestã de Pessoas em Cooperativas, Desenvolvimento territorial, Finanças Solidárias, Crédito, Crédito e finanças
Tags deste artigo: crédito finanças banco cooperativa